quarta-feira, 27 de junho de 2012

Simplismente te amo.


 
Simplismente te amo.

Com este pulsar

silencioso e suave que
minha'lma invade como canção.
E esta lágrima que beija
minha face, mostra o quanto
te amo sem disfarce.
Te amo como o vento vagante
com e sem direção.

Simplesmente te amo...
Tal qual a chuva sorrir
para o sol com a benção de
Deus te amo com o coração.
Te amo com doçura
e sem postura
também com loucura
e com paixão.

E peço em prece
que este amor seja escutado,
pois grito aos quatro ventos.
Não o guardo, pois se
guardo o perco.
Preciso te encontrar e ouvir
de ti que me encontrou.
Eu simplesmente te
amo meu amor!...

Marisa Torres
Direitos reservados.


Voando...


 

Voando...

Deslizo voando

nas nuvens do teu corpo
sobre a tua pele cantando.
Amando-te beijo os lábios murmurando.
Deitada no céu e aos céus eu grito
“te amo!”

Voando na valsa
dos deuses onde
o amor consagramos.
É na flor mais bonita que acredito
no eterno viver.
Voando consigo ofertar uma rosa
brotando ao entardecer.
Ouço coisas que não digo onde
tudo conversamos.

Releio cartas e juras
de amor escritas.
Na paz do silencio acredito nas
mentiras mais bonitas.
Na verdade onde leio tua mão as lágrimas
correm em prantos...
Na beleza do amor onde ecos soam
eu continuo voando.

Marisa Torres
© Direitos reservados.

 
Mulheres Lindas

segunda-feira, 25 de junho de 2012


Caminhos.

 
Caminhos.

Caminhos que passei
e te entreguei rosas no desamor.
Com pétalas a chorar e a minha
dor no peito sufocar.
Abriram-se botões em prosa
sem espinhos em cada flor.
Caminhos que andei,
e pensara que amei...
Forte me tornei.

Segui sem rumo
muitas vezes de dor no
caminho cai.
Onde me negaram amor em
teus braços me ergui.
De olhos vendados para a vida
na poesia amei.
Na tristeza me fortaleci e na
alegria chorei.

Caminhos por
qual passei na canção gritei.
Teu nome que tanto busquei,
em vão outros amei.
Dos amores que tive em meio às
tempestades aos céus fingi.
Descobri na minha'lma
caminhos que já vivi.
Caminhos traçados de
jardim perfumados
que andei.

Marisa Torres
© Direitos reservados

sábado, 23 de junho de 2012

Dueto caipira.



 

E aí nega...

Que tal eu e mais
 tu no grande forró de Aracaju...
Fazendo de tudo que é proíbido.
Tu deixa eu relar a mão
 do ouvido ao umbigo?
Nega eu vivo a sonhar pra ti pegar
assim num chamego...
Venha eu te faço este apelo
depois desta dança a gente se lança...
Eu te descabelo e te
 desmancho as trança.

Meu S.Antonio o que é issso?
Ouviu minhas prece mas parece é feitiço.
Na noite de S. João vou desincaiá.
Nego de prosa bonita.
Eu num nego uma dança nem mesmo
 um chamego... Então vamos dançá.
Sou muié do sertão que depois dum
 quentão tem forró e baião.
Danço de saia rodada
e calcinha preta na mão.
Mas sou matuta a matutá...
Pra me descabelá nego...
Vai ter que casá.

Dueto  Poeta Jorge &
             Marisa Torres



quarta-feira, 20 de junho de 2012

terça-feira, 19 de junho de 2012

Não nasci mulher me encontrei como mulher.


Não nasci mulher me
encontrei como mulher.


Não se nasce
com sexo definido.
Muitas vezes é preciso
mergulhar no inferno viver amores
e provar muitas dores.
Procurei amei e chorei.
Fui ao céu, mergulhei no mar,
desci a terra.Quase morri até me encontrar.
Não nasci feliz, não fiz meu nome à toa.
Não tenho nome de mulher
como qualquer pessoa.
Trago muito sentimento no peito, muita
história pra contar.
E um coração que clamava
em busca do amor
encontrar.

Talvez por ser
 exigente ou auto me valorizar.
Que descobri um amante eterno
como um diamante.
Que faz meu coração sangrar,
minhas veias pulsar e minh´alma aflorar.
Minha eterna companhia, comigo
clareia o dia, um professor ditador.
Que me faz sentir mulher amada feliz
assim como sou.

Não vivo mais de lamento,
nem muito menos de sofrimento.
Vivemos da magia entre afagos
noite a dentro.
Um caso animal e infernal.
Chamem do que quiser
mas foi ela que me fez  mulher.
A poesia ou...

“Eu e a poesia a poesia e eu”.

Marisa Torres
© Direitos reservados.


[flores_11.gif]




Amo, mas nada prometo.

Amo, mas nada prometo.

Quando juntos
Estamos pra sempre
guardamos
nossos momentos loucos.
Cobrança se fizer levará
pra sempre nossos sonhos
na primavera.
Quando o sol brilhar não
trata de tapar
a beleza do nosso amar.
Eu só quero amar sem
nada prometer,
sem parecer vulgar.

Vivo da beleza
do sonho não me julgue ou
me deixe no abandono.
Tanto já andei tentando
realizar e só em verso
encontrei o meu amar.
Na solidão eu me perco
deliro sem direito eu sei
me dá, mas nada prometo.
Fazer de tudo sem nada
prometer morrer
de amor ou viver
no padecer.

Que me ames,
sou louca na cama sou
fiel, só não me peça pra ficar.
A minha vida as marcas
posto em poesias tristes
e alegres dias.
Sou movida de emoção e de
emoção me perco...
Por isso nada prometo.
E mais do que sei vou vivendo
de ilusão só faço promessas
ao meu coração.
Assim nada sofrerei
hoje amo amanhã
não.

Marisa Torres
© Direitos reservados.

segunda-feira, 11 de junho de 2012


Namorar-te...


  Namorar-te...

Ah namorar-te.
...Olhar o mar.
Olhar o nada e nada dizer.
Deixar cada beijo nosso nascer e
esquecer que ele tem que morrer.
Apreciar a natureza... Fazer-te
natureza e te ver responder.
Sentir o calor da tua presença...
Perder o ar ou mesmo encontrar.
Esquecer ciúmes e diferenças.
Você ser sol em mim e eu
“Só” em você.

Namorar-te é...
Mais que nutrir dos céus
e mares todas às emoções...
Aconchegar-me em ti e assegurar-me
que os anjos são protetores
cumprindo suas funções.
Ah... Namorar-te!
É sentir de uma forma irracional
que os raios a lua nos rouba
 fazendo-se reações.
Sentar-mos e desenhar-mos
corações de forma natural.
Namorar é arte que só nos
dois sabemos fazer.

Namorar-te...
É tecer meus sonhos
com rosas que envias...
Transbordar-me no mel
que adoças meus dias.
Jantar contigo a luz de velas...
Esperar-te ansiosa olhando a janela.
Ferver nossos corpos em noite de lua amor!
E depois de muito namorar
até o sol se por...
Comer torrada com chá
 de canela.

Marisa Torres
© Direitos reservados
 

domingo, 10 de junho de 2012






Vesti-me de amor...

https://lh5.googleusercontent.com/-xwtu4kCa-p0/T9UvXqxpdgI/AAAAAAAANuU/DeVUfD1roWM/s800/anigif.gif
Vesti-me de amor...

 Para tua tentação 
 vesti-me com o prateado da  
lua e raios de ilusão. 
Para tua vaidade...  
 Na minha combinação bordei 
nossos lençóis com flores 
que colhi com tanta emoção.  
E deixei-te apreciar
nos teus negros olhos nus. 
A minha sinceridade.

 E vestida de amor... 
À linha do meu decote percebias
o pulsar do coração. 
Tão claro e visível á harmonia  
sem equilíbrio eu via nas tuas  
veias... Ofegante à respiração. 
Criamos uma situação com modelo  
que só nós podíamos vestir... 
Ah... A cor de sonho rondava e tudo  
tentava ali. 

 Na janela a chuva
caia convidando-nos a viver. 
Sentíamos até na alma o clima
de paixão nascer.Peguei aquele espelho  
passei o batom vermelho... 
Ah fiz de tudo esquecer.
Minha pele e a tua queimava e  
em mim um desejo senti que  
jamais senti nesta vida. 
E como eu já previa o meu 
corpo já despia, adrenalina corria...

Chamando-me de querida.

 E amanhã tu voltarás e colocarei  
outra roupa que tu escolherás.

 Marisa Torres 
© Direitos reservados