quarta-feira, 14 de julho de 2010

Recomeço aos poucos.


Recomeço aos poucos.

Recomeço a partir de
 muito pouco,nesta praia onde a areia,
húmida e sombria, erguida do sono,
se esvai por entre os meus dedos perdidos.
Recomeço a partir de uma única palavra,
de um ínfimo sinal que vi gravado
no meu coração em ruínas.

Aí, nessa cal vi, um dia,
um pássaro imóvel, quase vivo.
Com os olhos trespassados pelas
agulhas do tempo, inclinar-se e cair
sobre as pedras mudas...

E esse pássaro eras tu...
Ferido de morte, afastando as
lágrimas em vão.
“Afastando-se de mim”
A vida é assim, às vezes é ruim...
 A morte virá, mas poupe-me de
 morrer aos poucos.

Marisa torres
© Direitos reservados pelo autor.

3 comentários:

  1. Querida amiga e maravilhosa poetisa!
    Seu Blog. está lindíssimo, sua poesia dispensa comentários. Sou um fã seu. Adoro seus textos poéticos!
    Beijos de luz!

    POETA CIGANO - 15/07/2010

    www.carlosrimolo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Me honra muito sua visita poeta pois saiba que eu tbm sou grande admiradora sua. Quanto a ser maravilhosa kkkkkk fica por sua conta. Obrigada por tudo querido amigo.

    ResponderExcluir
  3. cada fim nos oferta um recomeço ...

    Somos Adultos .... a dor de um desapontamento nos amadurece e ensina a melhor ponderar o passo seguinte .. a usufruir a Luz do Advir e ser Feliz ;)

    BJOKINHAS NATALICIAS/EMIR

    ResponderExcluir