sábado, 20 de junho de 2009


Vida incerta.

rumos distantes.
Não! Não quero acertos
apenas caminhar na estrada.
Procuro a vida que não existe,
procuro não me apegar a nada.
Nem feliz nem triste.

Vivo, por assim dizer,
talvez por ver alguém viver
ou ter que viver a vida tua
sem obrigação com o dever.
Vivo porque ainda é o que
me resta.

Quando a tristeza bate to nem aí.
Tenta tanto tomar minha alma,
mostro-lhe minha calma
e fujo dela, que besteira...
Fujo da felicidade também.
Mas o que é felicidade?
Algo tão escorregadio as vaze ate sombrio.
Só vem me procurar para me fazer sonhar
com sua falsa eternidade.

Tristeza e felicidade
Das duas hei de escapar.
Deixo-as...Sem nelas acreditar.
Dizem que faz parte do amor
mas a ele nunca me dou,
quando bate a minha porta
respondo: não estou!

E que venha a vida.
vidas e idas, guerra e paz,
feliz ou sofrida...
Para mim, tanto faz.
Acabou ou quer mais?

Marisa Torres
© Todos os direitos reservados pelo autor

Nenhum comentário:

Postar um comentário